O reconhecimento dos seus direitos como cidadão não é apenas a responsabilidade do Estado, mas também nossa. A Constituição Federal de 1988, nos artigos 196 a 200, garante a saúde como direito publico e responsabilidade da União, dos Estados e Municípios. Um pergunta muito importante que deve ser feita e respondida é: Como eu, cidadão, posso reinvindicar esses direitos de forma prática? Muitas vezes, o excesso de burocracia pode ser um tanto intimidador, e nos questionamos se vale o tempo e esforço. Mas se fizermos nossa parte como cidadãos, podemos resolver, não só problemas pessoas, mas também ajudar a melhorar o Sistema de Saúde de forma geral.

Segue uma lista de maneiras em que podemos exigir nossos direitos dos diferentes órgãos e instituições da área da saúde, assim como, que são os responsáveis pelas diferentes funções que englobam essa responsabilidade.

Espero que ajude!

 

Conselhos e Conferências de Saúde

Os Conselhos devem fiscalizar e definir as linhas das políticas de saúde, sendo metade de seus membros usuários do serviço de saúde públicos.  Os conselhos podem receber denúncias sobre o atendimento precário nos serviços de saúde; desvios de recursos e cobrança pela prestação de serviços públicos, mas agem para corrigir problemas coletivos,  não cuidam diretamente com casos individuais.

Clique aqui para ver os endereços dos Conselhos de Saúde

 

Todo serviço ou unidade de saúde obrigatoriamente tem um chefe ou diretor, que é um profissional de saúde, geralmente médico, responsável pela administração e pleno funcionamento do serviço. Todos os serviços de saúde do SUS estão subordinados às secretarias municipais ou estaduais de saúde. Você pode contatar o diretor da unidade na qual foi atendido ou ao secretário de saúde em casos de reclamações sobre falta e despreparo de profissionais, mau atendimento, descumprimento de horários, filas de espera, demora, desorganização do serviço, falta de aparelhos, equipamentos, medicamentos e insumos (gaze, esparadrapo, seringas descartáveis etc). Para encaminhar a queixa é preciso saber o nome do Diretor escrever uma carta endereçada a ele, enviando também uma cópia ao Secretário Municipal ou Estadual da Saúde. Insista para que você tenha uma resposta rápida e satisfatória.

Clique para obter os endereços das Secretarias de Saúde.

 

Modelos de Cartas:

 

Ouvidorias:

As Ouvidorias têm a função de ouvir os usuários, apurando as denúncias e apresentando soluções em relação ao problema apontado.

 

Ministério Público:

É o órgão que atua na proteção e na defesa dos direitos e interesses da sociedade, como é o caso da saúde. Quando recebe informações sobre casos de desrespeito aos direitos sociais, o Ministério Público (MP) pode instaurar um procedimento (inquérito civil) para ouvir quem eventualmente causou o dano e levantar provas. Quando tiver evidências de uma conduta prejudicial a um ou mais cidadãos, o MP pode fazer um termo de ajustamento de conduta (um acordo) ou mesmo ingressar com ação na Justiça. Tendo em vista a importância do direito à saúde, e que, provavelmente, a falha na prestação dos serviços neste setor atinge várias pessoas, o MP é um importante recurso do usuário do SUS. Existe o Ministério Público Federal e o Estadual, sendo que ambos têm competência para atuar nas questões relacionadas à saúde.
As denúncias são encaminhadas ao Ministério Público por meio de uma representação, que é um documento escrito que conta o problema e solicita providências. Você também pode ir pessoalmente ao Ministério Público, onde haverá alguém para tomar seu depoimento. No site do Idec (http://www.idec.org.br), estão disponíveis alguns modelos de representações que poderão auxiliar no encaminhamento de suas informações ou denúncias.

 

  • Ministério Público Estadual / Edifício Sede

Rua Riachuelo, 115 – Centro – SP – Cep: 01007-904

3119-9848

www.mp.sp.gov.br

 

  • Ministério Público Federal

Procuradoria Geral da República

Rua Peixoto Gomide, 768 – Cerqueira César

3269-5000

www.pgr.mpf.gov.br

 

Poder Judiciário: 

 A Constituição Federal garante que toda lesão ou ameaça de direito seja apreciada pelo Poder Judiciário. Basta que o interessado procure a Justiça. Desde que preenchidas as formalidades exigidas, você sempre poderá levar o problema a um Juiz de Direito. O acesso à Justiça se dá por meio de um documento denominado petição inicial, que deve sempre ser elaborada e assinada por um advogado (a não ser em casos encaminhados ao Juizado Especial Cível). A partir daí, o Juiz analisará o pedido do autor da ação, a resposta do réu, as provas apresentadas, e decidirá a questão. Aquele que perder poderá recorrer aos Tribunais na tentativa de mudar a decisão do Juiz.

O Poder Judiciário pode ser acionado para que os responsáveis (as autoridades municipais, estaduais ou federais; diretor do hospital ou unidade; ou profissional de saúde), sejam obrigados a corrigir as falhas ou a omissão na prestação dos serviços de saúde. Conseqüentemente, você pode conseguir o atendimento do qual precisa, como por exemplo internação para fazer uma cirurgia, realização de consultas ou exames, medicamentos, etc. Também é possível recorrer à Justiça  para buscar a indenização ou reparação de danos de qualquer natureza sofridos em razão da falta de atendimento ou do atendimento de má qualidade.

Os cidadãos podem ingressar na Justiça individualmente, contratando um advogado particular, ou  recorrendo à assistência jurídica gratuita. O Ministério Público também pode representar o cidadão judicialmente, o que pode ser feito ainda por meio de uma associação ou entidade com legitimidade para propor ações judiciais e que tenha entre as suas finalidades, descritas no seu estatuto, a defesa da saúde ou da cidadania.

 

Vigilância Sanitária:

Tem a obrigação de controlar os riscos à saúde. Fiscaliza a comercialização de alimentos, bebidas, medicamentos, sangue, produtos e equipamentos médicos. Também é responsável pela fiscalização de serviços de saúde, como hospitais, clínicas e laboratórios. Você pode procurar a vigilância sanitária se tiver denúncias relacionadas à estrutura inadequada dos serviços de saúde, falta de higiene, fraude, falsificação e problemas na qualidade de medicamentos, sangue e hemoderivados, produtos para a saúde e alimentos, dentre outras.

 

  • Centro de Vigilância Sanitária (CVS)

1520 / 3257-7611

ouvidoria@cvs.saude.sp.gov.br

 

  • Vigilância em Saúde

Rua Santa Isabel, 181 – Vila Buarque

3350-6624 e 3350-6628

Funcionamento: de 2ª a 6ª, das 9h às 16h

smssaccovisa@prefeitura.sp.gov.br

 

Modelo de carta:

 

Defesa dos Direitos Humanos:

Existem diversas instâncias, como as comissões de direitos humanos ligadas ao poder Legislativo (Câmara dos Deputados, Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais) e as secretarias e conselhos de direitos humanos ligados ao poder Executivo. Elas recebem, investigam e apuram denúncias de violação dos direitos humanos. Você pode procurar uma destas instâncias se for vítima ou presenciar qualquer violação dos direitos civis e de cidadania, preconceito, discriminação, maus tratos, abandonos e todas as formas de violências e atentados contra a dignidade humana que possam vir a ocorrer nas unidades e serviços de saúde, a exemplo de hospitais psiquiátricos e lares de idosos.

 

  • CMDH – Comissão Municipal de Direitos Humanos

Pátio do Colégio, 5 – Centro – São Paulo – SP – CEP 01016-040

3106-0030

cmdh@prefeitura.sp.gov.br

 

  • Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de São Paulo

Av. Pedro Álvares Cabral, 201 S/ 2016 – 04097-900 – São Paulo – SP

3886-6122 / 3884-2590

 

  • Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados

Palácio do Congresso Nacional – Edifício Principal / Praça dos Três Poderes

Cep 70160-900 – Brasília – DF

(61) 318-5151 e 318-5930

cdh@camara.gov.br

www.camara.gov.br/cdh

 

  • Secretaria Especial dos Direitos Humanos – Ministério da Justiça

Edifício Sede, Esplanada dos Ministérios – Bloco T – Sala 422

Cep: 70064-900 – Brasília/DF

(61) 429-3142 / 223-2260

direitoshumanos@sedh.gov.br

www.sedh.gov.br

 

Modelo de carta:

 

Fonte: www.guiadedireitos.org